NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
O blog também está acessivel em ALIMENTACAOVIVA.COM e ALIMENTACAOVIVA.INFO
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Pitaia transformada em pilulas para emagrecimento e muito mais

Pitaia é o nome dado ao fruto de várias espécies de cactos epífitos, sobretudo do género Hylocereus mas também Selenicereus, nativas do México e América do Sul e também cultivadas no Vietnã, Malásia, Israel e China. O termo pitaia significa fruta escamosa, também sendo chamada de fruta-dragão em algumas línguas, como o inglês. Como a planta só floresce pela noite (com grandes flores brancas) são também chamadas de Flor-da-Lua ou Dama da Noite.





Pitaia amarela (
Selenicereus megalanthus) Pitaia vermelha (Hylocereus)

Fruta

Existem três variedades, todas com a pele folhosa:
Hylocereus undatus, branca por dentro com pele rosa
Hylocereus polyrhizus, vermelha por dentro com pele rosa
Selenicereus megalanthus, branca por dentro com pele amarela
A fruta pode pesar entre 150-600 gramas e seu interior, que é ingerido cru, é doce e tem baixo nível de calorias. Da fruta se faz suco ou vinho; as flores podem ser ingeridas ou usadas para fazer chá. As sementes se assemelham às do gergelim e se encontram dispersas no fruto cárneo.
Crê-se que a variedade de interior vermelho é rica em antioxidantes.

Utilização

Pode-se consumir a polpa do fruto ao natural ou processado como refresco, geléias ou doces. É também utilizada em medicina caseira, como tônico cardíaco, seu gosto lembra um pouco o melão. Apesar de sua aparencia chamativa, o paladar é suave. As sementes têm efeito laxante. Além do fruto, que tem efeito em gastrites, o talo e as flores são usados para problemas renais.

Estudos realizados pelo Grupo Pharmacopéia Cil constataram que esse alimento possui propriedades importantíssimas no processo de emagrecimento. Criaram então cápsulas com o nome comercial de "Koudo".




Em forma de medicamento parece ser contraindicado para diabéticos.

Verificou-se que seu extrato diminui a vontade de comer doces e atua como moderador natural de apetite, devido sua propriedade sacietogênica - que aumentam a sensação de saciedade. Também ativa um hormônio chamado glucagon, responsável pela disponibilização da energia armazenada, estimulando o organismo a utilizar suas próprias reservas energéticas.




Este alimento ajuda a controlar o desejo de comer e aumenta a sensação de saciedade. Em sua composição é possível encontrar a betalaina e indicaxantina, que melhoram a diurese (eliminação de urina), tendo efeito importante para a perda de peso, sem causar hipotensão no paciente. Além disso, assim como a vitamina C também presente no extrato, as duas substâncias são antioxidantes.
A queima de calorias é beneficiada pela presença da tiramina. É uma amina, proveniente do aminoácido tirosina, com ação sobre a pressão arterial, aumentando-a e causando a taquicardia.

Pouco conhecida da maioria dos brasileiros, a pitaia pode ser considerada artigo de luxo. A fruta pode chegar a R$ 4,5 à unidade. A fruta é um cactus, que soma 1.600 espécies identificadas e reunidas na família das cactáceas. Embora o México seja o principal cultivador (produtividade de 10 a 12 toneladas por hectare) é no Vietnã que atinge seu maior índice, de 40 a 45 toneladas por hectare.

O fruto na pitaia consiste numa baga carnosa, comestível, que atinge diâmetro mínimo de cinco centímetros e um peso médio de 200 a 250 gramas. A planta é rústica e pouca exigente em solos. Ela não suporta temperatura abaixo de 18ºC e nem sequer uma semana de seca. Por isso, no período da estiagem é preciso fazer uso de irrigação por gotejamento.

A pitaia é conhecida desde o século XII. Faz parte da história da fundação da vila que deu origem ao México, em 1325. Muito refrescante e por possuir grande quantidade de água, era consumida pelos astecas para evitar a desidratação.

A espécie floresce em maio e sua flor dura apenas uma noite. A fruta, rica em vitamina A e fonte de vitamina C, é coberta de espinhos. Porém, quando amadurece, com um simples toque eles caem. Seu sabor assemelha-se à mistura de kiwi, abacaxi e figo-da-índia. Pode ser consumida in natura ou compor saladas, doces e sucos. As sementes são laxantes.



Uma fruta exótica, nutritiva e principalmente saborosa. Você vai conhecer a pitaia e suas curiosidades. Saiba também um pouco da história do Sr. Lee, o taiwanês que trouxe essa novidade.




Referencias:
Livro Frutas Exóticas (Funep, FCAV/Unesp)
[1]
http://www.esteditora.com.br/correio/484…
Video EPAGRI
Maxpress



0 comentários: